Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos Eróticos Grátis » Contos Eróticos Gay » Rubião, o caseiro da chácara

Rubião, o caseiro da chácara

Publicado em 23 de maio de 2024 por Gustavo

Rubião, o caseiro da chácara

Senti sua mão pesada no meu rosto. Rubião me bateu novamente, como tem feito nos últimos anos que estamos juntos. Para ele, atos assim são normais entre casais, e o mais difícil pra ele sempre foi aceitar que agora somos um casal.  Rubião é um homem muito agressivo e violento, que sempre viveu no mato entre os animais e vida selvagem. Nunca sequer foi na cidade, vivendo na chácara do meu pai desde que eu era criança. É um homem tão rude que nunca usou shampoo, sabonete, perfume e desodorante por considerar itens extremamente desnecessários e femininos. Rubião tem aproximadamente 48 anos. Ele não é um homem bonito, mas chama atenção pelo seu porte naturalmente esculpido pelo trabalho, muito alto e magro, barba sempre por fazer, mas o que sempre me chamou atenção foram os tamanhos das suas mãos e dos seus pés, despertando muita curiosidade e lendas a seu respeito. Enviuvou duas vezes e nunca conseguiu ter filhos, pois as esposas morreram em trabalho de parto. Dizem que ele não dava trégua as esposas nem na véspera do  parto, procurando-as sempre para ter relações sexuais e que seu membro avantajado era o verdadeiro motivo das duas mortes. Cresci ouvindo muitas histórias a seu respeito e algumas delas confirmadas pelo próprio Rubião, que diz ser natural as mulheres servirem os maridos sempre que eles tiverem vontade, mesmo estando prenhas.

Esse é Rubião, o homem que despertou  em mim um sentimento que eu jamais poderia imaginar viver e que hoje eu percebo que tanto me faz bem como também me faz mal, apesar de achar que todo relacionamento tem sempre os dois lados. Ele despertou em mim a verdadeira essência de uma femea que estava adormecida em mim e que aflorou desde o dia em que ele me bateu pela primeira vez. Ali eu percebi qual era a minha verdadeira missão nessa vida e que de nada adiantaria eu lutar contra aquele sentimento de servidão a um homem austero e completamente diferente de mim, que fui educado na capital e me formei advogado. Meu nome é Gustavo, tenho 23 anos e quando a minha mãe morreu, eu fui estudar em colégio interno na capital. Meus pais não tinham família e éramos somente nós. Quando eu me formei, resolvi descansar e passar uns dias na chácara do meu pai. Minha namorada, Alice, tinha compromissos de trabalho e não conseguiu ir comigo.

Os dias passavam lentamente e em uma tarde preguiçosa eu estava deitado na rede observando Rubião dar comida aos cavalos. Meu pai tinha ido na cidade e pediu para ele tomar conta de tudo e também de mim. Eu ouvi quando eles estavam conversando e Rubião disse ao meu pai que ele ficasse tranquilo, pois ele estaria de olho em mim. Achei engraçado os dois me tratando como se eu ainda fosse uma criança. Da rede,  Percebi que sua camisa estava aberta deixando a mostra o seu peitoral. O que mais me chamou atenção foram a largura dos seus mamilos e a cor também. Eles eram muito escuros e tinham um brilho fora do comum. Rubião tem fama de não gostar de tomar banho e dava pra perceber pelo seu cheiro nem sempre agradável.

Ouvi sua voz me chamando para presenciar o nascimento de um poltro. A maneira dele falar era como se fosse uma ordem a ser imediatamente cumprida. Levantei e obedeci, e eu também sempre quis ver como nascem os poltros. Rubião começou a me explicar detalhadamente o acasalamento entre um cavalo e uma  égua, e falava de uma maneira tão arcaica que fiquei excitado. Ele percebeu o meu silencio e perguntou se eu já tinha comido alguma mulher. Falei que sim, que tinha namorada e que eu gostava muito  dela. Rubião olhou seriamente pra mim sem dizer nenhuma palavra. Confesso que o cheiro forte dele estava me dando um pouco de náuseas, mas mesmo assim estava sendo um momento muito agradável. Perguntei por que ele me olhava daquele jeito, sem dizer nada. Foi quando ele me bateu pela primeira vez. Ele me deu um tapa tão forte que caí perto do estábulo. Eu não podia acreditar no que estava acontecendo e perguntei se ele estava ficando maluco em bater em mim, o filho do patrão. Foi quando ele disse que não admitia que mentissem pra ele, pois ele sempre observou os meus olhares pra ele desde criança, e há pouco na rede. E que ele sempre me viu como uma pessoa que virou uma mulher. Eu não sabia o que dizer, e ameacei falar tudo para o meu pai. Rubião também ameaçou falar para o meu pai dos meus olhares para ele e de que eu não era um homem viril e sim uma mocinha querendo um macho. Rubião era um homem que não tinha nenhuma possibilidade de argumentação ou negociação. A palavra dele era sempre a última e ponto final.

Eu continuava no chão, sentindo a dor no meu rosto, quando ele me levantou pelos cabelos, pegou no meu queixo e ordenou que eu olhasse nos seus olhos. E disse “a partir de agora você vai me servir sempre que eu tiver vontade. Você será a meu brinquedo que vou transformar em minha mulher e nada vai impedir que isso aconteça”…em segundos ele tinha me despido e estava explorando todo  o meu  corpo. Eu lutei contra aquilo, mas ele conseguiu me imobilizar. Senti sua boca chupando o meu  mamilo direito de uma maneira tão forte que a sensação que tive foi que ele queria tirar leite.  Ele explorou me corpo por  inteiro, menos o meu pênis. De repente ele me coloca de costas, da uma cusparada no seu pau, que não tive tempo de ver, e sem nenhum cuidado começa a me penetrar….implorei para que ele não fizesse aquilo comigo, que eu tinha namorada e que o meu pai ia descobrir tudo. Senti uma dor enorme quando a cabeça do seu pau entrou e ele forçou até me penetrar por completo, colocando  a mão na minha boca impedindo que eu gritasse e fizesse barulho. Ele me possuiu feio um animal no cio. Com uma mão ele segurava meu cabelo e com a outra tapava a minha boca. Mordia minhas costas e nuca e eu sentia os deus dentes afiados na minha pele. Rubião soltou um uivo tão alto que todos os cavalos que estavam no estábulo se assustaram. Aquele homem não fazia sexo desde que ficou viúvo. Senti o seu leite quente dentro de mim e naquele momento eu percebi que aquilo era um caminho sem volta. Aquele homem ia querer sempre mais e eu tinha que saber o que fazer da minha vida. Rubião ficou deitado sob mim por alguns minutos e seu pênis continuava dentro de mim e ereto. Aos poucos ele vai se afastando de mim, me coloca de joelhos e ordena que eu limpe o seu pau com a língua, pois meu  pai estava pra chegar e ele tinha muito serviço pra fazer e não teria tempo pra tomar banho. Obedeci, e comecei a lamber o seu pau, que pela primeira vez pude ver o volume, que era muito grande, cheio de veias e da cor dos seus mamilos. Rubião nunca aparou os pentelhos, como também os pelos das axilas, fazendo dele um homem totalmente selvagem e sem vaidades. Com o dedo polegar ele começou a acariciar os meus lábios, dizendo que eram tão rosados que parecia que eu usava batom. Levantou o meu rosto e disse que eu era lindo e que de agora em diante eu pertencia a ele e começou a socar o seu pau na minha boca até atingir a garganta e eu vomitar. A sensação foi horrível e por mais que eu estivesse tentando me desvencilhar daquela situação, mas ele  segurava a minha cabeça e socava na minha garganta, não se importando  se eu estava vomitando ou se estava me machucando. Ele gozou de novo, dentro da minha  boca e segurou minha cabeça pra ter certeza de que eu iria engolir tudinho. Ordenou mais uma vez que eu o limpasse com a língua. Depois ele saiu e me deixou lá, sozinho. Fui pra casa atônito e quando tirei a roupa pra tomar banho, vi no espelho o meu corpo cheiro de hematomas. O cheiro de Rubião estava impregnado em mim. Fiquei muito tempo embaixo do chuveiro e senti que o meu anus estava muito machucado. O contato com a água do banho ardia e eu chorei muito. O que seria de mim depois de tudo o que aconteceu? E se meu pai descobrisse? E Alice, minha namorada? E depois que eu voltasse para a capital, como eu iria encarar todos?

Meu pai voltou da cidade e quis saber como tinha sido a tarde na chácara. Rubião falou do nascimento do poltro e que tinha algo pra falar sobre mim. Eu gelei na hora. Não conseguia nem respirar. Meu pai quis saber, preocupado, e Rubião sorriu dizendo que eu era a pessoa mais obediente que ele já tinha conhecido e parabenizou o meu pai pela criação dada a mim. Eu achei a brincadeira de muito mau gosto e ele tinha um sorriso de satisfação, afinal  de contas tinha comido o filho do patrão.

Eu fui na cozinha beber um pouco d’água e aliviar a tensão, afinal de contas a brincadeira dele me deixou com a boca seca. Rubião foi atras de mim na intenção de beber água também. Ouvi quando ele pediu licença a meu pai e foi pra cozinha. Pegou o copo da minha mão, baixou as calças e fez xixi no copo, pegando a minha cabeça e me obrigando a beber o seu mijo, sem falar nada para meu pai não ouvir. Eu não tive como sair daquela situação e bebi tudo, mesmo a contragosto. Rubião falou para eu não fechar a porta do meu quarto a noite, pois depois que meu pai fosse dormir ele me faria uma visita. Eu não conseguia dizer nada, estava paralisado com tudo aquilo e com o poder que ele já tinha sobre mim. Fiquei em pânico em imaginar aquele homem no meu quarto e na minha cama. Fui deitar tentando assimilar tudo o que tinha  acontecido em um único dia. Meu corpo doía, minha cabeça estava um nó e eu estava com muito medo. Adormeci e acordei sentindo um cheiro forte no quarto e quando abri os olhos Rubião estava na minha frente. Tive um susto com a sua presença e ele disse que tinha as chaves da casa toda e que não tinha adiantado eu ter fechado a porta, que eu ainda não tinha entendido o que tinha acontecido e o meu papel  entre os dois, que a partir daquele momento, como já tinha falado antes, eu pertencia a ele, seria dele sempre que ele quisesse e ele estava querendo muito repetir o que tinha acontecido no estábulo. Mostrei pra ele as marcas e hematomas no meu corpo e percebi que o efeito surtiu o contrário, pois ele via tudo aquilo como um troféu. Eu comecei a chorar e ele me bateu novamente, dizendo que  eu parasse de ser a menininha mimada do papai e encarasse a realidade de agora em diante. Ele estava com uma garrafa na mão, encheu o copo e me deu pra beber. Disse que eu iria relaxar e para eu não me preocupar. Acordei no outro dia sem saber o que tinha acontecido durante a noite. Rubião tinha me dopado e o cheiro dele estava na minha cama, nos lençóis e no meu  corpo. Acordei todo dolorido,  com um enorme hematoma na nuca e o meu anus estava ainda mais machucado e sangrando. Ao lado da cama tinha uma pomada vaginal, daquelas que as mulheres usam quando tem algum problema na vagina. Rubião  demonstra ser um homem sádico, apesar de eu achar que ele nem sabe o que significa. Para ele, o homem ter poderes no  corpo do outro é mais que normal. Ele que está acostumado a ver os animais transando, ele pensa que  com duas pessoas acontece do mesmo jeito, tanto que há boatos sobre as duas esposas que faleceram.

Rubião era o único empregado da chácara e uma vez por semana uma moça ia cuidar da casa e das roupas. Coincidiu dela aparecer no dia seguinte e antes do meu pai acordar eu ouvi gemidos perto da janela do meu quarto. Olho pela fechadura e vejo a moça de quatro e Rubião comendo o cu dela numa cena selvagem. A maneira que ele a comia era desproporcional, como se ela fosse uma cadela. Nunca vi nada igual nem nos filmes pornôs. Por incrível que pareça eu senti um pouco de ciúmes e sei que ele fez de propósito. Apesar de não ter nenhuma instrução e ser um homem simples, ele é muito esperto e sabia que mexeria comigo de certa forma.

Passamos o dia afastados do outro e quando tive oportunidade eu quis saber o que ele tinha me dado pra beber, pois eu não  lembrava de nada.  Ele riu e me deixou falando sozinho.  Ele fez sinal que estava indo para o estábulo e eu o segui. Chegando lá me deparei novamente com ele fudendo a diarista que estava com os punhos amarrados e a boca vedada com uma corda bem grossa. A cena era digna de um filme do Alexandre Frota. Aquela mulher estava sendo possuída por um cavalo. Eu me senti humilhado e fui pra casa. Meu pai percebeu  que eu não estava confortável e comunique a ele que estava voltando para a capital no outro dia logo cedo.

Rubião não me procurou a noite no meu quarto e eu senti um enorme alivio, afinal de contas o meu corpo precisava se recuperar das agressões de Rubião. Sim, eu estava machucado física e psicologicamente. Por um instante eu pensei que ele tivesse refletido e que fosse se satisfazer somente com mulheres. Pela manhã, minhas malas já estavam na sala quando Rubião chegou para receber as instruções do meu pai. Queria que ele  me acompanhasse até a primeira cidade para garantir que nada de mal pudesse acontecer no caminho. Foi quando eu hesitei e disse que não precisava, que eu não era mais criança e podia me virar sozinho, que aquilo não fazia sentido, tirar o Rubião do seu serviço para me acompanhar. E para a minha surpresa e espanto, Rubião pediu permissão a meu pai para me acompanhar até a capital, pois o mesmo sempre teve vontade de conhecer a cidade grande e que ele sabia que eu não ia me incomodar de hospedá-lo por uns dois dias.  Meu pai, obviamente, concordou na hora sem me dar chances de qualquer questionamento. Perguntou apenas pela sua bagagem e ele disse que  iria com a roupa do corpo, que não era homem de mudar sempre de roupa e que  chegando lá eu podia ajuda-lo a comprar roupas  novas.

Rubião, o caseiro da chácara

Rubião pegou  a chave do carro da minha mão e disse que ele iria dirigindo. Eu não sabia que você dirige e ele me disse que tem muita coisa a seu respeito que eu ainda não sei, mas que em breve ficarei sabendo. Seguimos a estrada e de repente ele parou  o carro. Perguntei o que tinha acontecido e em segundos eu já estava sentado nele sentindo o seu pau dentro de mim. Tirou minha roupa numa velocidade que eu não percebi e enquanto me comia ele chupava meus mamilos como se quisesse arrancá-los. Descobri que meu ponto g são os meus mamilos, pois eu começava a finalmente sentir prazer com Rubião. Ele nunca tocou no meu pênis e ao perceber que eu tinha ereção, ordenou que eu não gozasse na frente dele e que eu evitasse aquela situação diante dele. Tentei argumentar, mas com ele era impossível. Como evitar ficar de pau duro, Rubião? “ se vira, mocinha, e se acontecer novamente você vai se arrepender”, ele me ameaçava me bater novamente. Seguimos caminho e tentei conversar sobre a ideia dele de ir pra capital, se ele não gostava de cidade grande e nunca tinha ido. Ele disse que teríamos uma lua de mel, que ia me comer o dia inteiro, e que assim que eu chegasse lá eu terminasse o namoro com a fulaninha. Falei pra ele que precisaríamos ter uma conversa muito séria, de homem pra homem. “homem, ele disse!” _ sim, Rubião, eu sou um homem e você sabe muito bem disso. Eu vou te transformar em uma fêmea e em pouco tempo você será a minha mulher e vai me servir 24 horas por dia, ou eu não me chamo Rubião dos Santos, filho de Pedro e Fátima. Eu sei que sou um homem ignorante, não tenho estudos e que você deve ter vergonha de mim, mas nós vamos viver na chácara e ninguém nunca ficará sabendo que você dar o cu pra mim. Desde que você era pequenininho, eu via você olhando pra mim com um jeito de mulher carente. Seus cabelos, sua pele, seus olhos claros, e a ausência de pelos no seu corpo sempre despertaram em mim algo que eu não sabia o que era. Eu não sabia que um homem pudesse ter um cu tão gostoso e que substituísse a buceta de uma mulher.  Aos poucos eu to amaciando o seu cu e logo vai ficar igual a uma buceta todinha pra mim. Eu não conseguia falar nada, ficava hipnotizado com a astúcia daquele homem. Ele parou o carro novamente pra  mijar e eu falei que não tinha como ele fazer xixi ali, com o movimento dos carros,  e ele me pegou pelos cabelos, abriu a calça e mijou na minha boca. Naquele momento eu percebi que ele tinha total poderes sobre mim, e não apenas sobre o meu corpo, mas também sobre a minha mente e a minha própria vida. Em todas as situações ele sempre  conseguiu o que queria sobre mim. As suas  vontades sempre sobressaíram. Eu me sentia humilhado, dominado, mas ao mesmo tempo tinha o sentimento interno de uma realização que eu não sabia explicar.

Chegamos e fomos direto para o meu  apartamento. Rubião estava maravilhado por tudo que tinha visto de moderno na cidade.  E pela primeira vez eu percebi que o seu cheiro não mais me incomodava, eu já tinha me acostumado com o cheiro daquele homem. E pela primeira vez ele demonstrou algum carinho por mim quando fechei a porta e ele me beijou. Disse que era um homem simples e pediu pra eu ter paciência e nunca abandoná-lo, como fizeram as duas esposas falecidas. Ele disse que  um homem  precisa  de companhia e que é o homem quem manda em tudo, que a mulher nasceu pra servir e para obedecer o esposo. E que ele me via como uma mulher e não como um homem. Perguntou se eu gostava dele e se eu queria viver com ele como marido e mulher. Falei pra ele que precisaríamos dar tempo ao tempo, que eu ainda não estava acostumado com aquela situação, que eu tinha namorada e que precisaríamos ter muito cuidado com o meu pai. Percebi que ele não gostou e se afastou de mim. Fui conversar com ele e tentei acariciar a sua barba, mas ele ficou uma fera comigo e disse para eu nunca mais fazer aquilo, que era coisa de maricas. Resumindo, eu não podia nada, absolutamente nada. Qualquer gesto meu era negado. Pedimos uma pizza e como estávamos cansados da viagem fomos dormir. Peguei toalhas, shampoo e sabonete e falei pra ele tomar banho antes de dormir, mas ele disse que já tinha tomado na chácara e que faria no outro dia. Arrumei o quarto de hóspedes para ele dormir, mas ele recusou e disse que íamos dormir juntos pela primeira vez que ele não estava cansado. Rubião foi pra cama e eu fui tomar banho. Quando cheguei  ele já estava roncando e confesso que aquilo me deixou muito excitado. Aquele homem na minha cama e roncando tão alto que seria impossível eu conseguir pegar no sono. Deitei e ele se ajeitou no meu corpo, colocando a cabeça no meu peito. Eu estava ali, com 23 anos, advogado, com uma namorada querendo satisfações, deitado com um homem totalmente selvagem e grosseiro que  tinha plenos poderes sobre mim. Minha cabeça estava a mil, era tudo muito novo pra mim e eu estava me sentindo perdido, mas protegido ao mesmo tempo. Rubião acordou cedinho, como sempre, e começou a explorar o meu corpo enquanto eu ainda estava dormindo. Acordei com aquele homem dentro de mim, quase gozando, parecia um animal. Eu não estava preparado para o ato sexual e sujei o seu pau de merda, o que ele achou o  máximo, pois estávamos, segundo ele, começando a viver como um casal de verdade. Pela primeira vez eu o vi tomando banho e isso me trouxe um enorme alívio. Recusou usar shampoo, sabonete e desodorante. Aos poucos eu começo a aceitar o que não há jeito. Seguimos para o shopping pois precisávamos comprar roupas novas para ele. Fizemos umas compras no Carrefour e seguimos para a CeA. Percebi olhares de algumas pessoas, pois nós dois somos completamente diferentes e o jeito de se vestir dele chamava bastante atenção, sem dizer o seu jeito largadão. Entrando na CeA, passamos pelo área feminina e percebi que ele estava deslumbrado com tudo aquilo. Na verdade, não era apenas deslumbramento e sim muitas ideias se passando na cabeça dele. Pegou o meu braço e fomos direto para a parte de lingerie. Perguntei o por que de estarmos ali, se a intenção era comprar  roupas pra ele. Foi quando ele pegou umas peças intimas e sorriu pra mim,  como se estivesse medindo no meu corpo:  Uma calcinha, corpete…e olhando para o lado viu que tinha salto alto. Eu olhei pra ele e entendi a intenção. Apenas sorri de volta e colocamos tudo na cesta e ele não quis ir na sessão masculina e fomos pra casa. Não falamos nada durante o trajeto. Eu via um sorriso nos seus lábios e eu estava disposto a satisfazer aquele homem. Eu começava a levar a sério a possibilidade de me entregar totalmente pra ele, sem ressalvas. Preparei o almoço enquanto ele assistia futebol na TV. E quando falei que o almoço  estava na mesa ele pediu pra eu vestir a lingerie que ele tinha escolhido pra mim. Voltei para o quarto e coloquei as duas peças, calcinha  e corpete e o salto alto também. Ele disse que tinha uma surpresa pra mim, que comprou sem eu perceber. Tirou do bolso um batom vermelho e ele mesmo passou em mim. Ele me colocou nos braços como os casais fazem nos filmes em lua de mel, me levou pra cama e me possuiu como se fosse a primeira vez. Me tratou como se eu fosse uma prostituta. Eu quis muito gozar, pois estava excitadíssimo, mas ele não deixou. E novamente pediu para que eu controlasse o meu pau, pra ele não ter que ver um pau na frente dele. Que era broxante e o que ele quer mesmo é o meu cu e a minha buceta. Argumentar com ele é impossível. Ultima palavra é sempre a dele. Não conseguimos almoçar e passamos a tarde na cama juntinhos.

No outro dia fomos passear de carro e da janela ele viu um sex shop. Quis saber o que era e eu expliquei. Ele quis conhecer e lá fomos nós. Ao ver uma gaiola peniana ele já foi me mostrando e estava alucinado com a possibilidade deu usar e não ter mais ereção quando estivermos juntos. Mais uma vez eu fiz as suas vontades. Compramos também algemas. Rubião parecia uma criança.

A essa altura o meu namoro já tinha ido para o espaço. Eu também não tive vontade de procurar os meus amigos. Rubião ocupava todo o meu tempo e espaço. Pois bem, chegando em casa eu fui colocar a gaiola no meu pênis. Percebendo o movimento, Rubião foi até mim e ele mesmo fez questão de colocar, mas antes ele foi no banheiro, pegou a espuma de barbear, gilete e me depilou por completo. Eu sempre tive poucos pelos, mas tinha pentelhos e isso o incomodava bastante. A sensação de ver aquele homem me depilando e colocando uma gaiola de castidade me fez ter, pela primeira vez, uma ereção as avessas, eu senti prazer no meu anus, e não mais pelo meu pau. Talvez essa seja a real intenção da gaiola de castidade, aos poucos você perder a ereção, mas comigo foi muito antecipado. Ao fechar o cadeado, ele olhou pra mim e pela primeira vez eu vi paixão em seus olhos, que estavam cheios de lágrimas. E disse “ agora eu sei que você me quer de verdade como seu homem e agora eu sinto que seremos um do outro. “ Amanhã cedo voltaremos para a chácara e eu vou conversar com o seu pai sobre nós dois. Explicar que queremos viver juntos como marido e mulher e que se ele não aceitar eu vou embora da chácara e nós vamos viver aqui na capital. Nesse momento eu fiquei desesperado, pois meu pai era um homem de idade avançada e doente e eu não queria dar esse desgosto a ele. O caso não era tão fácil como Rubião achava, pois eu sou a mulher da relação. Eu mataria o meu pai de desgosto. Rubião aceitou, mas com uma condição: dormirmos juntos todas as noites e eu aceitei. Seguimos para a chácara e ao chegarmos lá, encontramos meu pai muito abatido. Ficamos preocupados e Rubião, pela primeira vez, entendeu que eu estava com razão. O tempo foi passando e o meu pai faleceu. Confesso que não foi um momento muito triste, pois ele tinha se livrado do sofrimento. Como não temos familiares nem muitos amigos, o velório foi somente eu e o Rubião. Ele prometeu que cuidaria de chácara e de mim. Rubião era um homem muito religioso e mesmo sendo muito ativo sexualmente, não fazia sexo nos dias santos. Era um homem realmente do campo e cheio de limitações cognitivas. Ele disse que respeitaria o tempo de luto e que logo após a missa de sétimo dia nós voltaríamos a ter relações. E assim aconteceu e de maneira inesperada Rubião pediu para que eu abrisse a minha mão e colocou um par de alianças. Eram velhas e não eram de boa qualidade. Tinha pertencido a sua falecida esposa e de agora em diante usaríamos como prova da nossa união. Disse também que no dia seguinte iríamos a igreja para o padre abençoar a nossa união e que eu me vestisse de mulher pois o padre não iria desconfiar de nada, uma vez que ele está bem velho e não lembra de mim. Concordei achando tudo aquilo muito excitante e no outro dia eu estava todo de branco, com o vestido de noiva que pertenceu a minha mãe. Rubião ficou emocionado quando me viu e não conteve as lágrimas. Chorou muito ao me ver vestido de mulher. Foi no jardim e pegou umas flores para ser o buque e seguimos para a igreja onde fomos abençoados. Na volta, dentro do carro, fizemos amor. Sim, amor, com tudo o que um casal tem direito: carinho, emoção….nossa união tinha sido abençoada por Deus, como dizia ele e de agora por diante seremos um só.

Os dias foram passando e a minha rotina era cuidar da casa, das refeições, roupas e tudo o que envolve as atividades domésticas. Tínhamos dispensado a diarista, e mesmo por que não fazia mais sentido ter alguém, nem que seja esporadicamente, que ele tinha tido um caso. Rubião trabalhava o dia inteiro pra manter a chácara, que seria o nosso sustento. Tentei introduzir hábitos de higiene pessoal, sem sucesso. Ele me via como uma mulher e a essa altura eu não tinha mais ereção. Meu pênis não servia mais para nada. Agora eu só sentia prazer pelo cu. Inclusive, Rubião perdeu a chave da gaiola de castidade e para abrir seria constrangedor chamar um chaveiro. Seria algo impossível. Rubião me procura todos os dias, mais de uma vez por dia. Não importa se eu não esteja me sentindo bem, com dor de cabeça, ou indisposto. Ele sempre diz que é frescura de mulher, tpm, etc.  Aos poucos eu fui deixando de ser eu mesmo para ser a mulher dele, servir a ele, não ter vontades próprias. As coisas não são  sempre as mil maravilhas. Ele é violento e quando esta muito irritado bae em mim. Basta encontrar um pouco de poeira nos móveis e ele briga comigo. Muitas vezes eu me sinto muito  cansado de não ter lazer e viver somente para o lar, mas para ele aquilo é o máximo. E quando ele se sente ameaçado, ele me prende na cama com as algemas. Ás vezes me deixa o dia inteiro sem beber e sem comer. Diz que eu preciso aprender e que eu continuo sendo muito mimado. Que eu não tenho mais ninguém no mundo, somente ele e que se eu o deixar, ninguém vai me querer, nem homem nem mulher, principalmente com uma gaiola no pênis. Ele agora está com a ideia  fixa deu procurar um médico para tomar hormônios ou colocar silicone e deixar os meus peitos crescer. Ele sabe que há essa possibilidade e já está programando irmos a capital.  Rubião é tarado por mamilos e essa ideia fixa está me preocupando bastante. Temos praticado o fisting, desde o dia que vimos um filme pornô. Começamos aos poucos e ele já consegue colocar até o cotovelo. A ideia é chegar até a altura do ombro.

Essa é a minha história, uma história real e que acontece com muitas pessoas. Eu deixei me dominar por um homem bruto, mudei radicalmente o meu destino e vivo cada dia com bastante intensidade. Aprendi a amá-lo incondicionalmente e ele me ensinou a ser uma mulher em toda a sua essência. Hoje eu posso dizer que eu tenho um macho na minha cama.

1298 views

Contos Eróticos Grátis Relacionados

Sou personal trainer e fiz sexo com casal de gays

Sou personal trainer e fiz sexo com casal de gays. Foi gostoso demais e eu fiz isso por prazer. Foi a primeira vez que eu comi um cuzinho gay na minha vida. Não sei o que deu em mim, mas esses dois...

LER CONTO

Gay sarado sentou na minha pica e eu gozei rapidinho

Gay sarado sentou na minha pica e eu gozei rapidinho. Estarei contando aqui um pouco sobre o dia em que eu acabei comendo um aluno meu. Ele é um riquinho gostoso e iria me deixar dirigir seu carro...

LER CONTO

O marido da minha enteada

Eu tenho maior tesao pelo marido de minha enteada e acho tambem que ele gosta do babado e quando bebe fica fogoso. Pois bem, sempre esperei por uma oportunidade de ter uma relaçao com ele, no inicio...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 2 + 3 = ?

Xvideos - Sexo com cachorro - Porno - Cnnamador - Xvideo - Xvideos Porno - Coroas Peladas - X videos - Corno - Filme Porno - Video de Sexo - X video - Porno Brasileiro - Mega Filmes - Putaria Telegram - Xvideos Onlyfans - Homem Pelado

Leia os melhores contos eróticos grátis. Neste site você vai encontrar milhares de contos eróticos para ler gratuitamente! São relatos eróticos reais contado pelas pessoas que vivenciaram, inclusive você pode contar sua história também, clicando em "escreva seu conto", será um prazer para nós publicarmos seu relato.

Contos eróticos grátis - Contos adultos - Contos porno

Nós separamos os contos adultos separados por categoria para facilitar a sua busca, assim você vai poder encontrar com facilidade contos eróticos de incesto, fetiche, corno, lésbicos, gays, travestis, picantes, entre outros temas. Está procurando histórias eróticas para ler sem ter que pagar por nada? Você é daquelas pessoas que prefere ler e imaginar do que assistir? Nosso site foi feito especialmente para você! Tenho certeza que você vai adorar ler todos nossos contos eróticos.

Se você está procurando por contos eróticos, você está no lugar certo. Nossa coleção de relatos é repleta de histórias únicas e sedutoras. Desde contos de aventuras sensuais, a contos de amor e desejo, temos tudo o que você procura. Nossos contos eróticos são emocionantes, divertidos e cheios de excitação. Os leitores podem desfrutar de contos de suspense, contos de ação e aventura e contos de terror. Se você é um amante de histórias eróticas, não procure mais. Nossa seleção oferece uma variedade de contos de autores experientes e talentosos.

Você vai adorar as histórias incríveis e o estilo único de cada conto. Se você está procurando por contos eróticos para satisfazer seus desejos íntimos, nossa coleção é a escolha perfeita. Experimente os contos porno cheios de emoção e descoberta. Não há limites para a imaginação, e os contos eróticos oferecem ao leitor uma grande variedade de cenários, personagens e desejos. Escolha entre relatos tradicionais ou contos modernos, cada um contando uma história emocionante. Nossos contos adultos são escritos por alguns dos melhores autores do país. Se você está procurando por contos eróticos para satisfazer seus desejos íntimos, não procure mais.

Nossa seleção de relatos oferece ao leitor a oportunidade de desfrutar de histórias sensuais e provocantes. Não importa o que você está procurando, nossa coleção tem algo para satisfazer todos os gostos. Seja qual for o seu estilo, nossos relatos eróticos oferecem horas de diversão e excitação. Nossa coleção de contos adultos traz ao leitor a oportunidade de desfrutar de histórias emocionantes e empolgantes. Se você está procurando por histórias de sexo reais para satisfazer seus desejos íntimos, não procure mais. Nossa seleção oferece uma variedade de contos de autores talentosos e experientes. Aproveite os contos eróticos cheios de romance e descoberta.
© 2024 - Contos Eróticos Grátis